Inversor de Frequência

Inversor ou Soft Starter

Por abril 16, 2019 julho 23rd, 2019 Nenhum comentário

Todos sabemos que a partida de motores de indução, são um dos maiores problemas encontrados pelos eletricistas, já que no momento do vencimento da inércia, a corrente de partida do motor, pode atingir até oito vezes o valor da sua corrente nominal. Desta forma, vários tipos de partida foram elaborados, visando uma queda neste alto valor de corrente de pico. Neste artigo, vamos esclarecer as dúvidas sobre quando utilizar inversor de frequência ou soft starter.

A melhor forma de diagnostico para utilização, é saber exatamente o que vai ser executado no projeto, por exemplo, que tipo de situação será exigido do seu motor. Será uma carga com velocidade e torque constante? Será necessário variar a velocidade durante o processo? Necessito apenas controlar a corrente de partida?  Estes são alguns exemplos de perguntas, para saber qual tipo de componente utilizar.

Descubra qual a diferença entre inversor de frequência e soft starter, além de determinar onde aplicar cada um. Confira!

Descubra qual a diferença entre inversor de frequência e soft starter, além de determinar onde aplicar cada um. Confira!A soft starter, como o próprio nome traduzido nos diz, é uma “partida suave “, ou seja, este equipamento irá “suavizar “o momento da partida do motor. O componente realiza o controle da tensão de partida do motor, através do controle do ângulo de disparo de pontes de tiristores, eletronicamente falando. Desta forma será controlada a corrente de partida, reduzindo assim os efeitos negativos que a mesma trás para a rede elétrica.

Neste vídeo exemplificamos o funcionamento principal da soft starter, que é o controle da corrente de partida do motor. Podemos observar este fato, através do display que demonstra o valor de tensão aplicada ao motor, valor este que vai variando gradativamente, de acordo com a rampa de aceleração que programamos.

Uma função destaque da soft starter é o by-pass, onde, após o motor atingir a sua tensão nominal, a rede elétrica é conectada diretamente a carga, deixando a soft livre para acionamento de demais motores. A soft starter controla não só a partida do motor, mas também a sua parada, além de oferecer proteção ao sistema e proteção contra choque elétrico.

Neste vídeo, elaboramos um diagrama de comando e potência, que exemplifica a utilização da soft starter e contatores de by – pass. Com este método de acionamento, é possível observar pela animação que, utilizamos a soft para partida, após um tempo selecionado pelos temporizadores T1 e T2, utilizamos o acionamento do motor pelos contatores de by – pass KB1 e KB2. Sendo assim, a soft poderia ser utilizada para quantos motores forem necessários, lembrando que no caso deste comando, apenas um motor por vez seria acionado, com intertravamento para segurança disso.

Descubra qual a diferença entre inversor de frequência e soft starter, além de determinar onde aplicar cada um. Confira!Quando há a necessidade de controles mais sofisticados em relação a carga, partimos para a utilização de inversores de frequência. Eletronicamente falando, o controle destes equipamentos, se baseiam na retificação da rede, filtros e aplicação de chaveamento de IGBT’s, componentes que aceitam acionamentos em altas frequências. Na entrada do inversor temos a frequência fixa da rede, e na saída obtemos uma frequência variável.

Com o inversor de frequência, podemos não só reduzir a corrente de partida e a parada do motor, mas também a sua frequência de operação, o que resulta no controle da sua velocidade, com a vantagem de manter o torque do motor constante. Além disso, é possível controlar frequência mínima e máxima, aceleração e desaceleração, frenagem do motor, efetuar a reversão do sentido de giro, entre outros controles. O inversor também efetua a proteção da carga, interrompendo a saída, quando há uma sobre corrente do motor.

Neste vídeo, demonstramos uma simulação de um inversor de frequência, sendo realizado um acionamento de reversão de sentido de giro do motor, além do controle de velocidade por um potenciômetro, sendo simulado a variação de tensão na entrada do inversor, pela barra gráfica. O intuito da animação é exemplificar alguns recursos que podemos utilizar num inversor de frequência, e esclarecer algumas dúvidas, quanto à sua utilização.

Através deste comparativo, podemos identificar que um inversor de frequência pode substituir uma soft starter, mas o contrário não é valido. A utilização de determinado equipamento, depende da necessidade e complexidade do acionamento elétrico em questão, onde cabe ao projetista identificar a aplicação de inversor ou soft starter para determinado projeto.

 

View Tech

Autor View Tech

Engenheiro Eletricista 25 anos de experiencia na área de Automação e Manutenção Industrial. Proprietário da Empresa View Tech Engenharia de Automação.

Mais artigos de View Tech

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: